Respostas contrárias às nossas orações.

Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus.” (Fp 4.6)

 

Muitas vezes apresentamos nossos pedidos, e temos a impressão que o SENHOR está demorando, atrasado ou nos responde justamente ao contrário daquilo que pedimos.

Por várias vezes no passado, me vi diante desse pensamento quando clamava por proteção e cuidado, até que num dia o ladrão entrou na firma e furtou todas as ferramentas. Clamei por condições para conseguir pagar as contas e honrar os compromissos, e como resposta levei alguns calotes que me deixaram endividado. Clamei por forças e saúde, tive um infarto. Clamei para que conseguisse receber o serviço e poder consertar o carro…, furtaram o carro e não recebi o serviço.

A nação de Israel, escrava no Egito, por anos clamou por liberdade até que Moisés chegou e anunciou a libertação, e como resposta imediata, faraó aumentou o serviço. Quando saíram do Egito com a tão sonhada e clamada liberdade, se depararam diante de um mar instransponível e para piorar, o exército do faraó atrás.

Talvez isso já tenha acontecido contigo. Essa aparente ausência, demora, atraso ou resposta contrária à uma oração.

Precisamos lembrar que o SENHOR responde as orações de três formas; sim, não e espere um pouco. Porém como o SENHOR não está aqui fisicamente para responder de forma direta, concreta e audível; e por isso ficamos na expectativa e angústia! Seria mais fácil se Ele respondesse de forma direta: Não! Ou espere por uma semana ou um mês. Outro fator importante é que o sim, muitas vezes pode levar anos para que se realize.

Voltemos para o clamor da nação de Israel!

SENHOR, liberte-nos!

Sim!

Porém, só para separar, formar, preparar Moisés desde o nascimento até a época que ele voltou e comunicou o povo, foram 80 (oitenta) anos aproximadamente.

 

  1. Pare de ser imediatista.

Somos a geração fast-food, self service, celular e aplicativos ultras velozes que ao simples toque na tela, o aplicativo já abre quase instantaneamente. Se demorar uns 5 (cinco) segundos para abrir, já ficamos ansiosos, para não dizer apavorados. Às vezes brinco, como se estivesse dando corda no celular fazendo movimento de uma manivela.

Esse imediatismo, queremos transferir para o SENHOR, esperando que Ele nos responda imediatamente ao término das nossas orações!

Vejo pessoas bravas, magoadas ou triste porque fizeram ou participaram de campanhas de oração, 7 (sete), 40 (quarenta) dias de oração, e não obtiveram nenhuma resposta.

O SENHOR responde de forma rápida ou imediata? Sim! Em muitos casos, oramos e temos uma resposta no mesmo dia ou no dia seguinte. Contudo, precisamos entender que de uma forma geral o SENHOR trabalha com processos, e que muitas vezes levam anos! Olhe para Israel no Egito. Só para preparar Moisés, foram 80 (oitenta) anos. Para o povo sair do Egito e chegar diante da terra prometida, foram em torno de 2 (dois) anos.

Procure enxergar e entender o processo da sua vida.

Se enxergarmos e entendermos o processo que está acontecendo nas nossas vidas, vamos entender que as aparentes tragédias que acontecem no nosso dia a dia, não são respostas contrárias as nossas orações, mas que fazem parte de um processo maior, onde o resultado será visível adiante.

Israel não enxergou que estava no processo de libertação, que o SENHOR já havia respondido e providenciado a libertação, por isso, tudo o que acontecia era tragédia motivo de reclamação.

 

  1. Pare de ser egoísta e materialista.

Da mesma forma o Espírito nos ajuda em nossa fraqueza, pois não sabemos como orar, mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis.” (Rm 8.26)

Realmente não sabemos orar!

Preste atenção nas orações. A maioria são egoístas e na primeira pessoa, eu quero, eu necessito, eu preciso; e muitas vezes, ou quase sempre materialista. – Eu quero um carro, uma casa, um emprego novo, etc.

Observando os relatos das pessoas com quem tenho conversado, 85 (oitenta e cinco) por cento das orações dessas pessoas foram nesse sentido e direção! E muitas das orações foram motivadas pela inveja ou ingratidão.

O vizinho comprou um carro novo, então ele resolveu orar, pedindo um carro novo. Como resposta a firma anunciou uma redução na jornada de trabalho e do salário de todos os funcionários.

E aquele que sonda os corações conhece a intenção do Espírito, porque o Espírito intercede pelos santos de acordo com a vontade de Deus.” (Rm 8.27)

Ore mais pelas pessoas, pelos problemas e necessidades das pessoas. Se importe mais com os outros, e procure entender a vontade de Deus.

Lembra do processo? Esse processo na sua, na nossa vida é para que façamos a vontade de Deus, conforme os planos que Ele tem para nós.

 

  1. Seja grato.

A gratidão muda a forma como vivemos, como enxergamos as coisas, como tratamos as pessoas, e principalmente como nos relacionamos com o SENHOR.

Olhando para Israel diante das situações aparentemente contrárias às suas orações, vemos que eles se desesperaram e acabaram reclamado e murmurando, e isso se tornou uma rotina diante de outras situações, até que foram castigados.

Então, não se desespere diante de uma falta de resposta, atraso, demora ou de uma resposta aparentemente contrária a sua oração mas, seja grato.

A gratidão nos leva a uma calmaria diante de uma situação contrária, adversa ou desesperadora.

 

Que o SENHOR te abençoe – Joel Amaro

Anúncios

Do que você tem reclamado?

O Temor do SENHOR e a Pregação

Desvenda os meus olhos, para que eu contemple as maravilhas da tua lei” (Sl 119.18).

33 Ensina-me, Senhor, o caminho dos teus decretos, e os seguirei até ao fim.34 Dá-me entendimento, e guardarei a tua lei; de todo o coração a cumprirei” (Sl 119. 33,34).

 

O pedido do salmista é de deixar qualquer um boquiaberto, se nos atentarmos para os escritos dele no próprio salmo. Palavras que demonstram um entendimento e sabedoria acima da média humana. Palavras de um coração conhecedor na prática e não somente na teoria, daquilo que está escrevendo. Não é qualquer pessoa que diz: “com lábios tenho narrado todos os juízos da tua boca” (V. 13). O salmista sabia todos os juízos e a lei do SENHOR, ou ele já tinha estudado e falado sobre eles? Continuando com a leitura do salmo, podemos perceber a profundidade das palavras que brotam de um coração temente ao SENHOR.

Contudo o mesmo salmista pede para que o SENHOR retire as vendas dos seus olhos para ele seja capaz de ver o que está escrito que porventura ele não esteja entendendo. Depois ele mesmo pede para que o SENHOR o ensine, aquilo que ele ainda não aprendeu, e para terminar ele pede para que o SENHOR lhe dê entendimento, e não somente uma vez, como no verso trinta e quatro, mas cinco vezes ele fala sobre entendimento, sendo que, em três vezes específicas, ele pede de forma bem clara “dá-me entendimento” (Sl 119.34,125,169). Quero ressaltar que além destas cinco ocasiões em que ele usa a palavra entendimento, ele ainda em outros versos, deixa o ensino e o entendimento subentendido no texto.

No capítulo dois falando sobre onde se encontra o Temor do SENHOR, falei sobre a cegueira de entendimento; cego guiando cego; cego tomando de cego. Um número crescente e talvez até dominante de pessoas cegas nos púlpitos das igrejas tentando ensinar algo que não entendem. A falta do temor desencadeia uma avalanche de problemas, dentre os quais já falamos a respeito, como a inobservância dos mandamentos Bíblicos, o mundanismo e agora sobre o humanismo imperante nos púlpitos e no andamento da igreja.

Tenho observado que é crescente o número de pastores e pregadores sem entendimento e que não tem ideia do que estão pregando! E não estou falando como crítico ou juiz, mas estou afirmando segundo as palavras dos próprios pregadores e pastores. Pregadores e pastores que afirmam em alto e bom tom que não entendem ou até entendem um pouco o assunto proposto. Fico até admirado com o pregador que no começo ou meio da mensagem diz claramente: “eu não entendo isso, não entendo aquilo, ou até entendo um pouco”.

 

PS: Trecho do Livro: “O Temor do SENHOR e o colapso da “Igreja” Cristã”.

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/me-ajude-publicar-um-livro

O Temor do SENHOR – Entendimento 2

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/me-ajude-publicar-um-livro

 

O Temor do SENHOR – Entendimento

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/me-ajude-publicar-um-livro

 

O Temor do SENHOR – Unanimidade

O Temor do SENHOR, onde está?

Agora, pois, seja o temor do Senhor convosco; tomai cuidado e fazei-o, porque não há no Senhor, nosso Deus, injustiça, nem parcialidade, nem aceita ele suborno” (II Cr 19.7).

 

Onde está o Temor do SENHOR em nossos dias?

O SENHOR já não é mais o Criador absoluto, ou o único e verdadeiro Deus, mas agora é apenas o Kara lá de cima. É apenas aquela coisinha quentinha, fofinha e gostosinha (como disse uma cantora). É apenas um nome a ser lembrado e banalizado como tantos: deus nos acuda, nos proteja, nos livre, nos guie e tantas outras frases pronunciadas em vão. O problema é que este pensamento da sociedade chegou e influenciou a igreja que abraçou e adotou esta visão.

A igreja que deveria influenciar a sociedade, sofreu uma inversão de papéis, e agora é influenciada pela sociedade.

Depois de aproximadamente dois mil anos do sacrifício do nosso Salvador Jesus Cristo, precisamos de maneira simples, direta e objetiva, reconhecer que não existe mais o Temor do SENHOR na sociedade, e em muitas igrejas que se dizem cristãs e nas igrejas evangélicas. O que encontramos nos dias de hoje são alguns remanescentes que continuam a todo custo, anunciando e tentando preservar e restaurar o verdadeiro evangelho.

Estamos vivendo um misto de épocas. Época e tempos dos juízes e ao mesmo tempo dos fariseus, saduceus e mestres da Lei que corresponde à época de Jesus. Tempos dos juízes onde: “Naqueles dias, não havia rei em Israel; cada um fazia o que achava mais reto” (Jz 21.25). Nesses dias não há “rei” na igreja (a igreja que não pertence mais a Jesus Cristo, mas sim a pastores ou grupos) e cada um faz o que acha mais reto. Cada cristão agora tem a sua interpretação, cada pastor tem a sua doutrina, cada igreja tem a sua prioridade, missão, direção. Cada denominação tem a sua visão, interpretação, aplicação.

 

– Trechos do livro: O Temor do SENHOR e o colapso da Igreja Cristã.

Estou em campanha para conseguir recursos para publicar esse livro.

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/me-ajude-publicar-um-livro

 

Desde já agradeço aos que estão ajudando e aos que ajudarão, seja com doações, em orações e de outras formas.

– Que o SENHOR os abençoe: Joel Olegar Amaro.